Líderes da base governista no Congresso admitem que não há uma agenda clara para 2022, o que representa forte sinal de que o Executivo já deixou em segundo plano interesse no Legislativo – como as reformas tributária e administrativa e a privatização dos Correios – para concentrar esforços na tentativa de reeleger o presidente Jair Bolsonaro (PL). De modo geral, os parlamentares afirmam que a ideia agora é encerra este mês com a aprovação do Orçamento Federal de 2022 e, no ano que vem, tocar a bola de lado com votações menos importantes. Assim, como no Palácio do Planalto, o foco da Câmara e em parte do Senado é a tentativa de reeleição dos próprios congressistas. A última medida significativa aprovada foi a PEC dos Precatórios, que abre espaço para o Auxílio Brasil de 400 Reais – tratado pelo governo como essencial para melhorar o desempenho de Bolsonaro nas pesquisas. Procurados, líderes do centrão não deram detalhes cobre propostas previstas para votação no primeiro de 2022.